Fotografia. No primeiro plano, duas mãos de uma pessoa de pele marrom média aparecem segurando uma outra mão de uma pessoa de pele marrom escura. Atrás é possível ver um fundo desfocado com parede listrada uma possível mobília cor de madeira. Foto do usuário Pixabay, disponível no banco de imagem Pexel no link: https://www.pexels.com/photo/2-person-holding-hands-45842/

Fora da caridade não há salvação

Compartilhe:

Entenda o papel da Federação Espírita Brasileira na construção de um mundo melhor

“A caridade é, em toda ocasião,
a regra da sua conduta:
são esses os verdadeiros espíritas,
ou, melhor, os espíritas cristãos.”
Allan Kardec [1]

“A Federação Espírita Brasileira é uma instituição que não foi criada pelos homens. É uma tenda de Ismael que no plano material se estabelece nessas instalações físicas que nós conhecemos”, evidencia o presidente da FEB, Jorge Godinho.

Diariamente a Casa de Ismael recebe solicitações de consolo, auxílio espiritual e também material. Pessoas necessitadas de apoio ou movidas pela curiosidade de conhecer a Doutrina dos Espíritos.

Neste sentido, a Federação Espírita Brasileira, desde o ano de 2000, iniciou as atividades da Área do Atendimento Espiritual (AE), buscando ações efetivas para acolher os que buscam o Centro Espírita.

Considerado uma das portas de entrada de uma Casa Espírita, o atendimento espiritual é o espaço dedicado à recepção, acolhimento e orientação daqueles que se interessam e buscam esclarecimento sobre a Doutrina Espírita.

Escuta e acolhimento

Segundo o documento Orientação ao Centro Espírita, o atendimento espiritual tem como principal fundamento os ensinamentos de Jesus: “Pedi e vos será dado, buscai e achareis; batei e vos será aberto; pois todo aquele que pede recebe; o que busca acha e ao que bate se lhe abrirá”.

Abrange as atividades da área, a recepção, o atendimento fraterno pelo diálogo, a explanação do Evangelho, o Evangelho no lar e implantação do Evangelho no lar, a irradiação mental e o atendimento pelo passe.

Atualmente, devido às obras de infraestrutura no prédio central da sede em Brasília da FEB, o atendimento pelo passe e o diálogo fraterno estão sendo realizados em horário reduzido no prédio Colmeia. As demais atividades estão disponíveis na modalidade virtual até durarem as obras. Na sede histórica da FEB no Rio de Janeiro o atendimento fraterno ocorre de forma presencial no salão térreo.

Confira os horários de cada atividade:

Atendimento Fraterno | Sede Histórica da FEB

Presencial no salão térreo às segundas das 9h às 12h (somente na primeira quinzena do mês); às terças e quartas das 10h às 14h.
A sede histórica está localizada na Av. Passos 28/30 no Centro do Rio de Janeiro.

Diálogo Fraterno | Sede Brasília da FEB

Virtual: Contatos podem ser feitos diretamente em horário comercial pelos números (61) 2101-6161 – Ramais 6 ou 8.
Presencial: de segunda a sexta, das 17h às 18h no prédio Colmeia da sede em Brasília da FEB, localizada na SGAN 603, Av. L2 Norte.

Explanação do Evangelho

Todas as quartas-feiras, das 18h15 às 18h45.
Clique aqui para entrar na sala virtual.

Implantação do Evangelho no Lar

Contatos podem ser feitos de segunda a sexta pelo número (61) 2101-6161 – Ramais 6 ou 8.

Irradiação

Todas as terças-feiras, das 19h às 20h.
Clique aqui para entrar na sala virtual (aberta alguns minutos antes)

Palestras públicas virtuais

Todos os domingos, às 17h, no Facebook da FEBOficial e YouTube da FEBtv.

Passe

Presencial: de segunda a sexta, das 17h às 18h no prédio Colmeia da sede em Brasília (603 Norte, em frente à L2).

Programa diário “Palavras de luz: mensagem ao seu coração”

Segundas, quartas e sextas às 18h30; terças e quintas às 10h; sábados e domingos às 20h, no Facebook da FEB e Facebook e YouTube da FEBtv.

Apoie a FEB

Seja um Sócio Contribuinte da FEB. O apoio mensal é essencial para manter todas as atividades de assistência social, atendimento espiritual, de divulgação, de estudos, unificação e manutenção dos espaços coletivos. Faça parte desta família!

NB [1]: KARDEC, Allan. O que é espiritismo? Brasília: FEB, 2019. p. 23.

Skip to content